Edição: 11491 Data: 18/04/2015

Notícias - Garça

Garça registra 923 casos de dengue

18/04/2015 -


Edna enfatiza que todo trabalho de eliminação de criadouros acontece de forma ininterrupta, mas população precisa colaborar 

As ações continuam ininterruptas e, desde os primeiros casos os agentes comunitários vêm se desdobrando no trabalho de BCC – Bloqueio e Controle de Criadouros – e nebulização. Garça inovou nas medidas de combate à dengue e, além dos meios tradicionais, incluiu a orientação e preservação – Álbum de Figurinhas – e a lei (autorização legal para adentrar os locais), para evitar que a situação se agravasse. Ainda assim, até o início desta semana a cidade totalizava 923 casos positivos de dengue. Embora os números assustem, até pelo fato de estarmos no outono, quando as transmissões tendem a cair, eles são registrados de forma mais lenta. Não há a agitação de um mês atrás. A situação parece estar mais controlada.

Conforme explicou Edna Semenssato de Oliveira, enfermeira chefe do Setor de Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde, o número expressivo pode ser explicado pela nova forma de se contar os casos. Agora, os diagnósticos são feitos com base em dados clínicos. Não se faz mais exames laboratoriais, ou testes para verificar o problema.

“Agora, quando uma pessoa chega para atendimento e apresenta sinais característicos da dengue, já é considerado um caso positivo. Isto porque depois que atinge um certo número de casos, não se faz mais exames laboratoriais e todos os sintomáticos são considerados positivos. Pode até ser que não seja, mas toda notificação entra como caso”, explicou a enfermeira.

O fato é que, reais ou não, Edna mais uma vez lembrou a importância da participação em todo processo de combate à dengue. Os agentes trabalham direto, fazem o bloqueio e tudo, mas mal terminam um bairro se veem obrigados a voltar para repetir o trabalho, diante de novos casos que surgem.

Em declarações à imprensa Edna disse que todo o município já passou pelo processo de BCC por pelo menos três vezes.

“Por isso frisamos a importância do cuidado constante da população. As pessoas devem monitorar os locais onde vivem e trabalham para evitar o acúmulo de recipientes que possam conter água parada e, por isso, se tornarem criadouros do mosquito transmissor da doença”, disse ela.

Chuva, sol e calor, típicos do verão, é ideal para proliferação do Aedes aegypti, mas isso não quer dizer que a redução de chuvas e o clima mais ameno fazem com que o mosquito tire férias, pelo contrário.

As atenções devem ser mantidas. A mudança de estação interfere diretamente na reprodução do Aedes aegypti, que busca o tempo mais frio para preparar a prole do ano seguinte.

O ovo do mosquito transmissor da doença, extremamente resistente, pode sobreviver vários meses até a chegada de água propícia para a incubação. Imersas, as larvas se desenvolvem rapidamente e dão origem às pupas, das quais originam o mosquito.



Liminar garante a agentes sanitários entrarem em imóvel que está fechado

O trabalho de combate à dengue em Garça teve também apoio da esfera judicial. O município ganhou liminar que autoriza os servidores públicos municipais a entrarem em imóveis sem que seja necessário o consentimento dos moradores ou proprietários, para a verificação de focos de criadouros do mosquito.

A solicitação do Executivo se baseou na necessidade em executar um trabalho constante e amplo em toda a cidade para o combate à doença, uma vez que parte da população não colabora com as vistorias.

Num dos entraves, entre população e agentes, um morador impediu as equipes de inspecionar seu quintal e ainda destratou os funcionários da Vigilância Sanitária, sendo necessário o acionamento da Polícia Militar. Somente então o local pôde ser verificado e foram constatados dezenas de criadouros do mosquito Aedes aegypti.

A limpeza da área foi feita pela prefeitura e um caminhão de entulho foi retirado da casa, em uma região em que vários vizinhos foram vítimas da doença.


Mais Notícias