Edição: 11356 Data: 01/10/2014

Notícias - Garça

GREVE DOS BANCÁRIOS - Paralisação atinge quatro agências de Garça

01/10/2014 -


Santander aderiu ao movimento de greve

Em assembleia realizada na noite de segunda-feira, os bancários da região rejeitaram nova contraproposta de reajuste salarial apresentada pela Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) e decidiram entrar em greve ontem, sem previsão de término da paralisação. Em Garça, funcionários de quaro agências bancárias - Banco do Brasil, Nossa Caixa, Santander e Caixa Econômica Federal – aderiram ao movimento nacional e os bancos não atenderam o público. Bradesco, Itaú e HSBC abriram suas portas aos clientes.

Entre outros itens, os trabalhadores pedem reajuste salarial de 12,5%, maior PLR (Participação nos Lucros e Resultados) e fim das metas abusivas. De acordo com o presidente do Sindicato dos Bancários local, Geofredo Borges da Rocha, em sua segunda tentativa de acordo com os empregados, a patronal elevou em menos de meio por cento o índice de reajuste proposto inicialmente: ao invés de 7%, todos os funcionários receberiam aumento de 7,35%. “Isso significava aumento real de apenas 1%, já que o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) foi de 6,35%. Pelos lucros bilionários que os bancos vêm alcançando ano após ano, o valor é muito baixo.

Assim que essa contraproposta foi apresentada, o comando aconselhou pela rejeição, que foi acolhida pelos bancários”, diz. Ainda segundo Rocha, a categoria tem conseguido aumento real de 2% nos últimos anos e, apesar de não haver prazo mínimo de paralisação, a greve pode ser encerrada assim que a categoria receber números satisfatórios da Fenaban.

“A assembleia continua em aberto e pode ser retomada a qualquer momento em caso de nova contraproposta dos bancos”. No ano passado, a categoria cruzou os braços no dia 19 de setembro após as negociações não avançarem. A greve, que durou 24 dias, teve adesão de mais de 70% das agências da região, que ficaram parcial ou integralmente fechadas.

A paralisação teve resultado e a categoria conquistou 8% de reajuste nos salários em geral, aumento de 8,5% no piso da categoria, que subiu para R$ 1.648,12 mensais, e correção de todos os benefícios em 8%. Os profissionais também passaram a ter um dia de folga remunerada como prêmio assiduidade, algo inédito para a categoria. Também houve avanços na PLR (Participação nos Lucros e Resultados), com 10% de aumento na parcela fixa do abono. Os trabalhadores que recebem até cinco salários mínimos também receberam o valor de R$ 50 a título de Vale Cultura. Outra conquista foi a retirada da cobrança de trabalho dos bancários através de mensagens no celular, o que passou a ser proibido. 



Greve dos bancos não adia prazos

Greve de bancários, com agências bancárias fechadas, não exime o consumidor de adiar pagamentos. O alerta é da Fundação Procon-SP diante das costumeiras reclamações por conta de prazos perdidos. Existem alternativas para que o pagamento de contas seja realizado no prazo mesmo com a greve.

Segundo o Procon, os consumidores devem entrar em contato com empresas e concessionárias de serviços e solicitar outras formas e locais para pagamento. A obrigação da empresa credora é de oferecer alternativas para que os pagamentos sejam efetuados. O pedido deve ser documentado por e-mail ou pelo número de protocolo.

Entre as opções para pagamento de contas de consumo e tributos estão os caixas eletrônicos, que continuam funcionando normalmente; as casas lotéricas, espalhadas por toda a cidade; os supermercados e agências dos Correios, que oferecem ao público a opção do Banco Postal - nestes três últimos, as empresas devem ter convênio firmado.

O Banco Postal permite a realização de praticamente todos os serviços oferecidos por bancos, como pagamento e recebimentos de contas, desde que possuam convênio com o Banco do Brasil, solicitação de cartões de crédito, saques, depósitos e até abertura de contas. De acordo com os Correios, qualquer pessoa pode realizar o pagamento de contas em dinheiro no Banco Postal com limite de recebimento de no máximo R$ 1,5 mil, para títulos do Banco do Brasil, e R$ 300, para títulos de outros bancos.

Também é possível pagar todas as suas contas sem sair da sua casa, pelo internet banking, ou até mesmo de qualquer lugar em que estiver, pelo celular. De acordo com a Associação dos Profissionais e Empresas de Tecnologia da Informação (Apeti), apesar dos riscos existirem, o internet banking pode ser bem seguro com alguns cuidados. É essencial utilizar um computador com um antivírus de qualidade.

É importante também tomar cuidado com links e e-mails acessados desse computador, que podem instalar arquivos mal-intencionados na máquina. Além disso, os bancos, hoje em dia, sempre disponibilizam ferramentas próprias, que servem como guardiões para o acesso online. No entanto, procurar a Fundação Procon-SP para registrar uma reclamação formal deve ser a última opção.  


Mais Notícias