Edição: 11992 Data: 29/04/2017

Variedades - Canal 1

Semana de 22 a 28 de setembro de 1974, há 40 anos

20/09/2014

Nos seus primeiros anos de funcionamento, a Rádio Clube de Garça (hoje Rádio Centro Oeste), contava com a participação de vários artistas amadores locais. Em 1949, um desses grupos, os Seresteiros de Garça, fazia sucesso, em programa transmitido todas as quartas-feiras, às 20 horas. Era formado, da esquerda para a direita, por Washington Guanaes, Abílio de Matos, Antonio Gimemez e João Zutin Filho. Agradecemos à leitora Neide Guanaes Barbeiro, pela cessão da belíssima e histórica foto.


Iniciamos agora o nosso mergulho semanal no Túnel do Tempo, relembrando os principais acontecimentos ocorridos em nossa cidade, na semana de 22 a 28 de setembro de 1974, há 40 anos, graças a pesquisas efetuadas nos arquivos de “Comarca de Garça”.
O prefeito Pedro Valentim Fernandes desejava entrar o ano de 1975 sem dever um só centavo para os fornecedores da municipalidade, em atraso desde 1969. Eram débitos oriundos da administração do prefeito Júlio Marcondes de Moura. Como faltavam apenas algumas empresas para quitarem o débito junto à Prefeitura, Pedrinho solicitava que os mesmos se habilitassem o mais rápido possível para receber o que lhes era devido há um bom tempo.
No dia 29 de setembro, o Lions Clube de Garça realizava o IV Seminário Leonístico do Distrito L-19, contando com a presença de representantes de mais de 40 clubes. Dois temas seriam abordados no decorrer do conclave: “Esvaziamento do Leonismo - causas, efeitos e soluções”, a cargo de João Batista Soares, de Ribeirão Preto, e “Domadoras – sua integração e participação no Leonismo face à Resolução Internacional”, sob a responsabilidade de Lívio Thomas Pereira, representando a cidade de Campinas.
Através de comunicação expedida pela Diretoria da Receita, a Prefeitura solicitava aos comerciantes a colaboração no sentido de cumprirem a nova legislação que regulamentava o horário de funcionamento do comércio. Pela nova disposição legal, as casas comerciais deveriam funcionar de segunda a sábado das 8 às 18 horas, o que não estava sendo devidamente respeitado por algumas lojas.
A diretoria do Banco do Brasil, em reunião realizada no dia 18 de setembro, em Brasília, aprovava a concessão de empréstimos que atingiam a 240 milhões de cruzeiros. Dentre os créditos aprovados destacava-se o de 43 milhões de cruzeiros destinados a várias cooperativas de produtores de café, sendo que a Cooperativa dos Cafeicultores da Região de Garça ficou com a maior parcela (cerca de 25 milhões de cruzeiros), seguida da Cooperativa de São Manoel. O fato foi tão significativo que mereceu a atenção dos grandes jornais brasileiros que noticiaram o acontecimento e ressaltaram os nomes das duas cooperativas. A vultosa operação creditícia vinha reafirmar a posição de liderança e prestígio que a Garcafé desfrutava perante as autoridades monetárias nacionais.
Apresentando um aumento de 30 por cento, o orçamento municipal para o exercício de 1975 atingiria a importância de 9 milhões, 542 mil cruzeiros. Parte do aumento da receita devia-se à elevação na cota-parte do ICM, que subiu de 31 milhões de cruzeiros em 1974 para 46 milhões em 1975.
O ex-presidente do Instituto Brasileiro do Café e diretor da Cooperativa dos Cafeicultores da Região de Garça, Jaime Nogueira Miranda, seguia para Brasília no dia 24 de setembro, a fim de participar de reunião com o ministro da Indústria e Comércio, Severo Gomes, para analisar a crise cafeeira. A reunião foi solicitada pela Federação da Agricultura do Estado de São Paulo e deveria participar da mesma, representantes das federações de Minas Gerais e Paraná, outros estados grandes produtores de café.
O juiz da 47ª Zona Eleitoral, Carlos Aurélio Mota de Souza, determinava que a apuração dos votos relativa à eleição de 15 de novembro, seria iniciada no dia 16, às 9 horas na sala do Júri do Fórum local. Uma única junta apuradora funcionaria contando com 4 turmas de escrutinadores. A composição das mesas apuradoras era a seguinte: 1º turma – mesário: José Maria Marques; secretário: Martinho Monici; escrutinadores: João de Ávila, Shikohaku Sioia, José Inércio Sitta, Daniel Josué Berno e Nelson Coelho; – 2ª turma – mesário: Antônio Pires de Almeida; secretário: Darci Pearce Batista; escrutinadores: Telêmaco Fernandes Filho, Luiz Gadinardi Bruniera, Adilson Alves Moreira, João Trinca e Dante Belini; – 3ª turma – mesário: João Gomes; secretário: João Truzzi; escrutinadores: Nelson Piola. José Irineu Facina, Pedro Augusto Pimentel, José David de Oliveira e Pedro Augusto Nascimento Ávila; – 4ª turma: mesário: Humberto Pedro Casagrande; secretário: Amedeu José Zancopé; escrutinadores: José Bertolucci, Joseph Ersen Baracat, Cezar Augusto Tidei, Antônio Sérgio Encarnação e Sylvio de Freitas Barbosa. O secretário geral da Junta seria o Sr. Waldomiro Montalvão, ficando a preparação dos mapas demonstrativos das votações urna por urna a cargo de José Caparroz e Haroldo Pereira Martins.
Em sua segunda apresentação na fase semifinal do Campeonato da Primeira Divisão, o Garça Futebol Clube derrotava o Jaboticabal, na casa do adversário, por 3 a 0, na tarde de 22 de setembro. Roberto assinalou dois gols, sendo o primeiro a apenas um minuto de jogo. O jogador e técnico Rinaldo completou o placar, aos 20 minutos do segundo tempo. Jogou o Garça com Franz, Dadi, Toninho, Pedroso e Joãozinho (Nena); João Luiz e Alcyr (Rinaldo); Dozinho, Osmar, Roberto e Jânio.
A equipe de veteranos do baseball garcense participava do Campeonato da Alta Paulista na cidade de Tupã, ao lado de representações de Adamantina, Tupã, Oswaldo Cruz, Pacaembu, Dracena, Lucélia e Tupi Paulista. O time garcense era formado por Makoto Kakudate, Tagushi, Tagami, Aoki, Kobayashi, Hiroshi Kakudate, Todi Kikuti, Nagao Owade, Chiba, Yoshikasu Kakudate e Yamauchi.
O governador Laudo Natel sancionava a lei que dava nova denominação ao Colégio Técnico Agrícola Estadual de Garça. A partir do dia 24 de setembro o estabelecimento era transformado em Escola Estadual de 2º Grau Deputado Paulo Ornellas Carvalho de Barros. A iniciativa de homenagem ao político e empresário agrícola garcense se devia ao deputado Jamil Dualibi, que apresentou projeto de lei na Assembleia Legislativa, propondo o nome de Paulo Carvalho de Barros à escola agrícola.
Cidade registrava altos índices de consumo de água, devido à estiagem que já atingia 90 dias não só em nossa região, mas em todo o Estado. No dia 16 de setembro era batido o recorde com o SAAE fornecendo 6 milhões e 550 mil litros de água. No dia 24, outra marca expressiva se registrava, com o consumo atingindo a 6 milhões e 400 mil litros. Até agosto, a média diária era de 4 milhões de litros, aumentando em 50 por cento em setembro, por conta de seca. Para atender à elevada demanda, a Estação de Tratamento de Água vinha trabalhando diariamente até por volta da meia-noite.
Em resposta à indicação do vereador Paulo Renato Alves de Souza que solicitava a inclusão de verba no orçamento municipal para 1975, a fim de possibilitar a construção de praça no terreno defronte ao Centro Comunitário de Vila Jardim Hilmar Machado de Oliveira, o prefeito Pedro Valentim Fernandes afirmava que o logradouro público constava de seus planos para o próximo exercício. A praça é a mesma onde hoje se localiza a Escola Victor Hugo.
O presidente da Câmara Municipal, Veríssimo Fernandes Barbeiro, anunciava para a Ordem do Dia da sessão de 30 de setembro, a votação das contas da Prefeitura, Câmara e SAAE, relativas ao exercício de 1972, que haviam recebido parecer favorável do Tribunal de Contas do Estado.